No último sábado, o ator caruaruense Luciano Torres venceu o prêmio de Melhor Ator no 1° Annual Mysuru International Film Festival, na Índia, por seu papel como Beato no curta-metragem A Botija, O Beato e a Besta-Fera de Túlio Beat.

O festival contou com dezenas de produções internacionais e a concorrência para os prêmios principais foi acirradíssima. Os vencedores foram anunciados no último sábado, numa grande cerimônia com cinema lotado, no Ramagovinda Rangamandira Theater, na cidade de Mysuru.

Luciano Torres já havia sido indicado ao prêmio de Melhor Ator no Metropolis Film Festival na Itália em agosto.

O filme A Botija, O Beato e a Besta-Fera tem conquistado diversos prêmios internacionais: Melhor Diretor Estreante (para Tulio Beat) e Melhor Filme de Monstro na Inglaterra, Melhor Roteiro na Ucrânia e Melhor Filme no Peru.

O filme conta a história de Beato, homem religioso que vive um dilema: ir atrás da botija e sucumbir à ganância ou se resignar na fé de dias melhores.

Inspirado nas tradicionais histórias de botijas e na literatura de cordel, comuns no Nordeste brasileiro, “A Botija, o Beato e A Besta-Fera” traz uma jornada hermética de desvendamento num Sertão fantástico.

O ator Luciano Torres começou a fazer teatro no colégio; participou de espetáculos estudantis do Feteag; fez parte da Cia de Produções Artísticas Prazeres Barbosa, onde atuou em apresentações de rua como Passos da Paixão e no São João de Caruaru. Estudou no curso de atuação para teatro, tv e cinema da Hipérion, em Recife. Cursou a Escola Wolf Maia, no RJ, onde também fez teatro, TV e cinema. Ganhou prêmio de melhor ator no Festival de Teatro do Rio de Janeiro, em 2011, por sua atuação como Bastião, da peça A Feira, com Prazeres Barbosa. Começou no cinema, em 2013, no filme Zentai, do premiado cineasta caruaruense Leo Tabosa. Atuou no longa Mulheres No Poder, de Gustavo Acioly, protagonizado por Dira Paes. Ultimamente, vem vivendo protagonistas em filmes de cineastas de Caruaru e atuando no audiovisual também como diretor e produtor.

“É uma grande alegria ter esse reconhecimento internacional por um trabalho feito com muito amor, empenho e dedicação de toda a equipe; fazendo cinema no interior do Brasil, apesar de todas as dificuldades”, ressalta o ator.

PUBLICIDADE