Palestra sobre mini-hortaliças é ministrada na Central de Abastecimento de Caruaru

Foi realizada, nesta quarta-feira (21), uma palestra sobre os benefícios das mini-hortaliças na Central de Abastecimento de Caruaru (Ceaca). As hortaliças cultivadas em ambientes controlados chegam a ser até 40% mais nutritivas do que os alimentos inteiros.

Além da palestra, os comerciantes da Ceaca puderam ter acesso à mostras desses produtos, sendo eles: brócolis, alfafa, repolho roxo, beterraba, feijão mungo verde, girassol, ervilha e lentilha.

Para o produtor responsável pela exposição, José Carlos, em se tratando de uma área de negócios pouco expandida no nordeste, o intuito de mostrar a importância das micro-hortaliças é de extrema importância, pois abre portas para um novo mercado, além de entregar um produto natural, com alto valor nutritivo para o consumidor. “As micro-verdes, ou micro-hortaliças, por possuírem um alto valor nutritivo, se tornam importantes para o cardápio de crianças, idosos, até mesmo para àquelas pessoas que praticam atividade física. São alimentos ricos em vitaminas e em radicais livres, além disso, podem ser comidas na hora ou até para enfeitar pratos gourmet”, comentou.

Já o presidente da Ceaca, Gilvan Calado, entende como uma visão de novo mercado, podendo incluir a alimentação no cardápio de merenda escolar, ajudar na reposição de vitaminas de jovens, adultos e idosos, além de poder comercializar com estabelecimentos, a exemplo de restaurantes. “São produtos naturais, produzidos e estudados em ambiente controlado, que podem abrir um novo horizonte de mercado para a agricultura familiar ou até a comercialização, em larga escala, para escolas, hospitais e restaurantes”, pontuou.

O que são micro-verdes?

Pouco produzida no nordeste, as micro-verdes, ou mini-hortaliças, podem ser uma fonte alternativa de consumo e renda de produtos com alto valor nutritivo e baixa caloria, possuindo uma característica agro-farmacêutica.

As micro-verdes consistem em plantas jovens, que podem ser de diferentes espécies herbáceas e aromáticas, colhidas entre 7 e 21 dias após a germinação. Na hora da comercialização os produtos podem ser higienizados, embalados e prontos para o consumo _in natura_ na forma de salada.

Os horticultores também podem investir em mix de folhas, com diferentes espécies misturadas ou vender os materiais em bandejas atrativas, que mostram o próprio substrato.

Foto: Matheus Antunes

PUBLICIDADE